Adsense

quinta-feira, 11 de junho de 2015

Tratamentos para Artrose


Suplementos alimentares podem ajudar na regeneração da cartilagem?

Tratamentos de lesões cartilaginosas e da artrose do joelho têm sido grandes desafios para a medicina esportiva. Estudos científicos são pouco conclusivos e conflitantes.





Nos últimos anos, com a melhor compreensão da biologia e como se dá a cicatrização das crtilagens, um grande arsenal terapêutico, envolvendo a fisioterapia e fortalecimento muscular, infiltrações e procedimentos cirúrgicos, tem sido desenvolvidos. Nem todos com taxas de sucesso satisfatórias, principalmente entre atletas. 




O conceito da suplementação alimentar com medicamentos que auxiliariam na regeneração da cartilagem é recente e é muito incentivada pela indústria farmacêutica. Sem dúvida, pelo fato de estes produtos terem pouquíssimas contraindicações e efeitos colaterais, são altamente atrativos. Apesar dos estudos científicos pouco conclusivos e conflitantes, estes produtos (diascereina, glicosamina, condroitina e colágeno hidrolisado) são lançados no mercado a preços absurdamente elevados e sob propaganda de que seriam revolucionários no tratamento da condromalacia e artrose. 




Os sulfatos de glucosamina e condroitina, utilizados separadamente ou em conjunto, estão entre os suplementos mais populares. Eles são amino-açúcares produzidos naturalmente no corpo, e a sua produção diminui com o envelhecimento (quando as pessoas mais precisam). Sua suplementação desempenharia um papel importante na formação, manutenção e reparação de cartilagem e outros tecidos do corpo. Mas eles realmente funcionam?


A revista American Family Physician publicou recentemente um artigo sobre o uso de suplementos alimentares na osteoartrite. Eles deram uma nota "B" quanto à evidência científica para ambos. Isto significa que, baseado em estudos de seguimento a longo prazo, haveria redução muito pequena de sintomas da osteoartrite, possivelmente, retardando a progressão da doença.

Um estudo intrigante de 2004, no qual metade dos voluntários tomou glicosamina e a outra metade ingeriu placebo, reportou melhoria de sintomas, mas não houve diferença no resultado entre os grupos. Outro estudo publicado na revista New England Journal of Medicine, no qual foram administrados glucosamina, condroitina, glucosamina e condroitina em conjunto, um anti-inflamatório e um placebo, teve como surpreendente resultado maior taxa de melhoria de sintomas no grupo onde o placebo foi administrado.

Portanto, apesar do apelo comercial, a evidência existente na atualidade é compatível com a hipótese de que a glucosamina e a condroitina, quando administradas a longo prazo, possuem o mesmo efeito do placebo. Seu uso, portanto deve ser mais racionalizado, com cuidado especial a diabéticos e pessoas com problemas gastrointestinais, como a gastrite e síndrome do intestino irritável. Para os que acreditarem e optarem por seu uso, devem ter em mente que o uso nunca deve ser isolado, mas sempre associado à reabilitação e sob orientação médica. Em outro estudo publicado em 2010 na revista Annals of Rheumatic Diseases, houve melhoria de sintomas em pessoas que suplementaram suas dietas com glicosamina, porém com resultados inferiores àqueles que usaram anti-inflamatórios e placebo.

Estudos futuros devem focar na capacidade destes medicamentos de modificarem o curso das doenças cartilaginosas e no efeito a longo prazo na prevenção destas lesões em quem pratica esportes com regularidade.

Fonte: Eu atleta.com em artigo escrito por Dr. Adriano Leonardi, que é especialista em ortopedia.


Postar um comentário